Pular para o conteúdo principal

Anarriê! Será esse nosso Brasil agrário?

Anarriê, sala de aula.

Recebi um convite que me causou estranhamento. O recado da imagem acima me causou espanto não pelo fato da "festa junina" estar acontecendo em julho. Nem mesmo pelo fato de que a escola (espaço público) venderá comidas (ação capitalista) para os pais. Certo, eu sei que isso é "praxe" e que várias justificativas poderiam ser dadas em defesa do comércio em escola pública, mesmo assim, respeitando as opiniões em contrário, prefiro neste momento, continuar defendendo uma outra escola.

Voltando ao convite o que salta aos olhos é o fato dos alunos terem que comparecer a caráter, vestidos de "jeca". Minha dúvida: qual é a representação, para uma criança em formação, se "transformar" de forma estereotipada em jeca? O quê ou quem é o jeca? O que ele representa ou o que querem que ele represente?
Fonte: https://updatesaude.files.wordpress.com/2014/04/jeca-tatuzinho2.jpg

Será esse nosso Brasil agrário? É importante refletir sobre as representações desse Brasil rural inclusive, as influências francesas destas festividades juninas. Lembram do Anarriê? (do francês en arrière).

São possibilidades de novas aprendizagens (re)descobrir nosso Brasil rural, discutir movimentos sociais sem terra, reforma agrária, agronegócio, influência das culturas indígenas, europeias e africanas em nossa alimentação (lembre do bilhete: "A APP venderá comidas típicas"), música e idioma, por exemplo, o termo Caipira vem do tupi Ka'apir ou Kaa - pira, que significa "cortador de mato". 

Vejo possibilidades de trabalho interdisciplinar entre Geografia, História, Matemática, Português e Artes a partir da analise do contexto da figura do Jeca Tatu e sua construção em um Brasil do século XX que se pretendia moderno e, claro, aproveitar o momento e a oportunidade para uma bela confraternização festiva.


Algumas referências que poderiam ser discutidas com os alunos nestes períodos juninos.


A tradução do Jeca Tatu por Mazzaropi: um caipira no descompasso do samba. Disponível em <http://www.ufjf.br/revistaipotesi/files/2011/04/11-A-tradu%C3%A7%C3%A3o-do-Jeca-Tatu-por-Mazzaropi.pdf> Acesso em 21/07/2015.

Cultura Caipira. Disponível em <http://culturacaipira.webnode.com.br/aoutrafacedojeca>. Acesso em 21/07/2015.

Jeca Tatu. Disponível em <http://www.infoescola.com/biografias/jeca-tatu/>. Acesso em 21/07/2015.

Anarriê, alavantú, balancê: matutês de festa junina é, na verdade, francês. Disponível em <http://gazetaonline.globo.com/_conteudo/2010/06/650133-anarrie+alavantu+balance+matutes+de+festa+junina+e+na+verdade+frances.html>. Acesso em 21/07/2015.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diário de Classe

IMPORTÂNCIA DO PREENCHIMENTO CORRETO DO DIÁRIO DE CLASSE
O Diário de Classe é um documento oficial da Unidade Escolar e um instrumento de responsabilidade do PROFESSOR com a finalidade de registrar e documentar a frequência e o aproveitamento individual do aluno regularmente matriculado. É também, o documento de controle e confirmação do trabalho do professor e dos alunos. Devido à sua importância, deverá ser preenchido somente pelo professor de forma cuidadosa, sem rasuras e à caneta. ATRIBUIÇÕES DO PROFESSOR REFERENTES AO DIÁRIO DE CLASSE - Preencher o diário de classe de acordo com as aulas ministradas, conforme as orientações estabelecidas no Regimento Interno da U.E.; - Garantir a clareza e a sequência lógica nos registros dos conteúdos de forma que seja possível identificar a relação entre o diário de classe e o planejamento pedagógico; - Lançar os registros diariamente; - Preencher o diário com letra legível, sem erros ou rasuras; - Não fazer registros a lápis no diário…

Sorriso e Silêncio

A mensagem acima, eu li em um perfil de uma rede social. Fiquei pensando sobre os problemas da simplificação da mensagem que aponta para a ideia de que o silêncio é uma maneira de se evitar os problemas.
Penso que estamos onde estamos por enfrentar os problemas e não evitá-los. As doenças sempre foram um problema para a humanidade e as enfrentamos, a gravidade foi, num passado próximo, um problema e hoje temos satélites em órbita porque ela foi enfrentada e não evitada. 
Na verdade o problema não é, em última análise, o problema. Ademais, quando da existência de um problema, o sorriso não me ajuda muito a resolvê-lo. 
Bons livros, horas de pesquisa e muita dedicação sim, pode me ajudar a resolver um problema.
Sobre o silêncio, outro equívoco, o silêncio não é a maneira de evitar os problemas, pelo contrário, o silêncio pode causar muitos problemas. Vocês lembram do Holocausto? Fruto da loucura de uns e do silêncio de outros.
Uma possível correção da legenda na mensagem acima seria, não fiq…

Prefeito de Florianópolis publica alerta nas redes sociais por causa das chuvas

Fala do prefeito de Florianópolis Gean Loureiro, via redes sociais, sobre a chuva que cai em Florianópolis nas últimas horas.