Pular para o conteúdo principal

Comissão discute hoje confronto entre polícia e professores no Paraná

O governador Beto Richa e o ministro Pepe Vargas, da Secretaria de Direitos Humanos, foram convidados para falar sobre o episódio que ganhou repercussão internacional

O confronto ocorrido entre policiais militares e professores do Paraná, na quarta-feira passada, será debatido hoje em audiência pública interativa promovida pela Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH), a partir das 9h, na sala 2 da Ala Senador Nilo Coelho.

Os professores entraram em greve no dia 25 de abril contra a aprovação de mudanças nas regras de aposentadoria do funcionalismo estadual, o que os levou a realizar várias manifestações públicas. No dia da votação pela Assembleia Legislativa do Paraná, protestos no Centro Cívico de Curitiba resultaram em mais de 200 feridos por balas de borracha e bombas de efeito moral, além de 7 manifestantes presos. A Secretaria de Segurança Pública afirma que, entre os feridos, 20 são policiais.

O Ministério Público paranaense investiga se houve excessos na repressão policial e abuso de autoridade. O requerimento foi apresentado pelo presidente da CDH, Paulo Paim (PT-RS) e pelas senadoras Regina Sousa (PT-PI), Gleisi Hoffmann (PT-PR) e Fátima Bezerra (PT-RN). A audiência contará com a participação de deputados federais.

O ministro da Secretaria de Direitos Humanos, Pepe Vargas, e o governador do Paraná, Beto Richa, foram convidados para participar. Além deles, foram chamados o secretário estadual de Segurança, Fernando Francischini; o chefe da Casa Militar, coronel Adilson Castilho Casitas; o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Paraná, Hermes Silva Leão; além de representantes de entidades como OAB, Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) e Anistia Internacional.

Fonte: Jornal do Senado, Brasília, quarta-feira, 6 de maio de 2015.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diário de Classe

IMPORTÂNCIA DO PREENCHIMENTO CORRETO DO DIÁRIO DE CLASSE
O Diário de Classe é um documento oficial da Unidade Escolar e um instrumento de responsabilidade do PROFESSOR com a finalidade de registrar e documentar a frequência e o aproveitamento individual do aluno regularmente matriculado. É também, o documento de controle e confirmação do trabalho do professor e dos alunos. Devido à sua importância, deverá ser preenchido somente pelo professor de forma cuidadosa, sem rasuras e à caneta. ATRIBUIÇÕES DO PROFESSOR REFERENTES AO DIÁRIO DE CLASSE - Preencher o diário de classe de acordo com as aulas ministradas, conforme as orientações estabelecidas no Regimento Interno da U.E.; - Garantir a clareza e a sequência lógica nos registros dos conteúdos de forma que seja possível identificar a relação entre o diário de classe e o planejamento pedagógico; - Lançar os registros diariamente; - Preencher o diário com letra legível, sem erros ou rasuras; - Não fazer registros a lápis no diário…

Como configurar teclado do tablet S3 para acentuar em português

A configuração da capa teclado para o tablet S3 gera muita confusão. Nem mesmo os atendentes da Samsung souberam configurar o produto em loja e o atendimento pelo telefone foi pior, resultado: vamos aprender sozinhos.

Há alguns tutoriais aqui na internet solicitando para instalar um APP que faz uma "gambiarra" onde você precisa digitar certos códigos para conseguir grafar com "ç", "á" "ã" ou qualquer outro acentuação em língua portuguesa do Brasil. Como dira aquelas propagandas tipo "Polishop" (não sei se é assim que se escreve, mas você entendeu), então como dizem os programas deste estilo "esqueçam tudo"!



Vamos direto ao ponto: conecte o teclado físico no seu tablet, entre em configurações depois vá em Gerenciamento geral (onde há idioma e entrada); clique me idioma e entrada e depois clique em teclado físico, posteriormente procure e selecione "Brasileiro". De fábrica o teclado vem selecionado Português, mas isso n…

Sorriso e Silêncio

A mensagem acima, eu li em um perfil de uma rede social. Fiquei pensando sobre os problemas da simplificação da mensagem que aponta para a ideia de que o silêncio é uma maneira de se evitar os problemas.
Penso que estamos onde estamos por enfrentar os problemas e não evitá-los. As doenças sempre foram um problema para a humanidade e as enfrentamos, a gravidade foi, num passado próximo, um problema e hoje temos satélites em órbita porque ela foi enfrentada e não evitada. 
Na verdade o problema não é, em última análise, o problema. Ademais, quando da existência de um problema, o sorriso não me ajuda muito a resolvê-lo. 
Bons livros, horas de pesquisa e muita dedicação sim, pode me ajudar a resolver um problema.
Sobre o silêncio, outro equívoco, o silêncio não é a maneira de evitar os problemas, pelo contrário, o silêncio pode causar muitos problemas. Vocês lembram do Holocausto? Fruto da loucura de uns e do silêncio de outros.
Uma possível correção da legenda na mensagem acima seria, não fiq…