Pular para o conteúdo principal

Obesidade infantil: mudança de hábitos familiares é essencial

De acordo com os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), um terço das crianças brasileiras entre cinco e nove anos está acima do peso. Entre os jovens de 10 a 19 anos, 20% apresenta sobrepeso. Criança gordinha não é sinônimo de saúde; ela faz parte de um grupo de risco suscetível a doenças decorrentes da obesidade.
“São diversas e interligadas as causas para esses números alarmantes. Os dois principais fatores são a má alimentação e o sedentarismo”, alerta o membro do Departamento de Nutrição da Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP), Claudio Leone. A dieta inadequada é consequência da vida agitada das famílias e o crescente hábito de realizar as refeições fora de casa ou com alimentos industrializados e pré-preparados. Além disso, guloseimas ricas em açúcar e gorduras estão mais acessíveis, à disposição da criança.
“Os pequenos estão cada vez mais dentro de casa, em frente à televisão, computador e vídeo games, ou seja, a prática de atividade física é quase nula, principalmente nos centros urbanos. Tudo isso contribui para este cenário”, continua o pediatra.
É importante, também, considerar os fatores genéticos – filhos de pais obesos têm maior propensão em estar acima do peso, habitualmente inclusive por seguir os hábitos alimentares, nem sempre adequados, da família. A atenção deve começar desde a gestação: mães que engordaram muito na gravidez terão crianças mais suscetíveis a desenvolver obesidade.

Danos à saúde

“Alguns problemas já aparecem na infância, como os psicossociais – consequência da provocação de colegas, brincadeiras de mau gosto e bullying”, alerta o Dr. Leone. Por isso, pais, amigos e parentes não devem falar constantemente do peso da criança, pois isso pode gerar maior ansiedade e dificultar o autocontrole na hora de alimentar-se.
A obesidade infantil pode prosseguir na fase adulta, conforme apontam os números da Universidade Federal do Estado de São Paulo. Segundo a UNIFESP, as chances de permanecer o sobrepeso aos dois anos de idade são de 15%; aos 5 anos, 35% e aos 7 anos, chega a 50%. Os que se mantêm obesos até os 10 anos de idade apresentam 80% de chance de levar esse padrão no decorrer da vida.
Com isso, a saúde sofre problemas sérios, causando danos sistêmicos e metabólicos. “Por conta do excesso de peso sobre os joelhos e membros inferiores, é comum o aparecimento de problemas ortopédicos nessas regiões. Além disso, a obesidade infantil provoca alterações precoces no metabolismo dos açúcares e gorduras no organismo, inclusive com dificuldade no uso de sua insulina e glicose. Desta forma, o risco de desenvolver diabetes tipo 2, aumento da pressão arterial e de problemas cardiovasculares é elevado e significativo”, destaca o pediatra.

Como reverter esse quadro?

A orientação do Dr. Claudio Leone é a de realizar mudança de hábitos sempre com orientação e acompanhamento de um pediatra, se possível com apoio de um nutrólogo (ou nutricionista) e de um educador físico. “É importante que toda a família esteja envolvida nesse processo. Todos precisam mudar de estilo de vida, não só a criança. O exemplo e o incentivo são peças fundamentais para um tratamento de sucesso”, aconselha.
É preciso oferecer mais frutas, legumes e verduras do que fastfood, comida processada e em conserva. Para adaptação inicial, vale oferecer as frutas em formas de suco, por exemplo, e os vegetais dentro do feijão ou suflê. O paladar da criança deve se acostumar a esses novos sabores.
Já em relação ao fim do sedentarismo, os pais devem criar condições para a prática de atividades físicas, como frequentar clubes e parques. Eles precisam ser estimulados a sair da frente da TV e ir caminhar, passear ou andar de bicicleta. “A criança que faz mais atividade física é mais saudável de um modo geral”, conclui o pediatra Claudio Leone.
Fonte: EBC - CREATIVE COMMONS - CC BY 3.0

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diário de Classe

IMPORTÂNCIA DO PREENCHIMENTO CORRETO DO DIÁRIO DE CLASSE
O Diário de Classe é um documento oficial da Unidade Escolar e um instrumento de responsabilidade do PROFESSOR com a finalidade de registrar e documentar a frequência e o aproveitamento individual do aluno regularmente matriculado. É também, o documento de controle e confirmação do trabalho do professor e dos alunos. Devido à sua importância, deverá ser preenchido somente pelo professor de forma cuidadosa, sem rasuras e à caneta. ATRIBUIÇÕES DO PROFESSOR REFERENTES AO DIÁRIO DE CLASSE - Preencher o diário de classe de acordo com as aulas ministradas, conforme as orientações estabelecidas no Regimento Interno da U.E.; - Garantir a clareza e a sequência lógica nos registros dos conteúdos de forma que seja possível identificar a relação entre o diário de classe e o planejamento pedagógico; - Lançar os registros diariamente; - Preencher o diário com letra legível, sem erros ou rasuras; - Não fazer registros a lápis no diário…

Como configurar teclado do tablet S3 para acentuar em português

A configuração da capa teclado para o tablet S3 gera muita confusão. Nem mesmo os atendentes da Samsung souberam configurar o produto em loja e o atendimento pelo telefone foi pior, resultado: vamos aprender sozinhos.

Há alguns tutoriais aqui na internet solicitando para instalar um APP que faz uma "gambiarra" onde você precisa digitar certos códigos para conseguir grafar com "ç", "á" "ã" ou qualquer outro acentuação em língua portuguesa do Brasil. Como dira aquelas propagandas tipo "Polishop" (não sei se é assim que se escreve, mas você entendeu), então como dizem os programas deste estilo "esqueçam tudo"!



Vamos direto ao ponto: conecte o teclado físico no seu tablet, entre em configurações depois vá em Gerenciamento geral (onde há idioma e entrada); clique me idioma e entrada e depois clique em teclado físico, posteriormente procure e selecione "Brasileiro". De fábrica o teclado vem selecionado Português, mas isso n…

Sorriso e Silêncio

A mensagem acima, eu li em um perfil de uma rede social. Fiquei pensando sobre os problemas da simplificação da mensagem que aponta para a ideia de que o silêncio é uma maneira de se evitar os problemas.
Penso que estamos onde estamos por enfrentar os problemas e não evitá-los. As doenças sempre foram um problema para a humanidade e as enfrentamos, a gravidade foi, num passado próximo, um problema e hoje temos satélites em órbita porque ela foi enfrentada e não evitada. 
Na verdade o problema não é, em última análise, o problema. Ademais, quando da existência de um problema, o sorriso não me ajuda muito a resolvê-lo. 
Bons livros, horas de pesquisa e muita dedicação sim, pode me ajudar a resolver um problema.
Sobre o silêncio, outro equívoco, o silêncio não é a maneira de evitar os problemas, pelo contrário, o silêncio pode causar muitos problemas. Vocês lembram do Holocausto? Fruto da loucura de uns e do silêncio de outros.
Uma possível correção da legenda na mensagem acima seria, não fiq…