Pular para o conteúdo principal

A Verticalização de Florianópolis entre 1960-2014


Reproduzido do ND Online (acesso em 07/10/2014), intertítulos do Professor Santiago
Um cartão postal da década de 1960: início da verticalização.
Foto: Arquivo Carlos Damião/ND

Registro feito em 1998: presença maciça da construção civil. 
Foto: Arquivo Carlos Damião/ND.

Num registro mais recente, a expansão vertical para o Continente. 
Foto: Divulgação/ND.


Olhando Florianópolis de cima - e o ND e o Grupo RIC têm uma posição geográfica privilegiada - a gente percebe como a cidade cresceu rápido. Não só a Capital, todo o complexo urbano do entorno, em especial São José, é visivelmente verticalizado, com a quase total escassez de áreas verdes. Do alto, o verde que sobra está nas praças públicas e em alguns pontos isolados. Não houve preocupação, em passado recente, com a preservação de mais espaços verdes, reservas ambientais para a população respirar. Em geral, estamos confinados numa selva de concreto, com a ocupação quase total de tudo que é possível para construção.
* * *
A verticalização da área central, a primeira a despertar atenção da construção civil, não foi planejada. Aliás, mesmo que tivessem boas intenções, as autoridades de 40 ou 50 anos atrás não conseguiriam impor qualquer tipo de ordenamento sustentável à cidade. Esbarraram quase sempre nos interesses político-partidários, nos cabos eleitorais amigos, nas questões mais objetivas do desenvolvimento e sem a "abstração" do urbanismo.
* * *
Querem dois exemplos? Vamos lá: na década de 1970, o professor Luiz Felipe da Gama Lobo d'Eça, que era arquiteto e urbanista, percebeu que o centro da cidade se esgotaria em pouco tempo. Em consequência, deveria se expandir para a região do Campeche, devido às ótimas condições topográficas, com terrenos mais planos, e também à proximidade com a região central e o aeroporto. Seu projeto de urbanização do Campeche foi ignorado e o bairro se transformou na zona urbana que todos conhecemos na atualidade.
* * *
O segundo exemplo sobre o planejamento do passado que não funcionou, é o Aterro da Baía Sul, desenhado por um gênio do urbanismo, Burle Marx, e totalmente violado pelos interesses de uma minoria. O resultado é o que se vê, embora alguns prefeitos, inclusive o atual, já tenham pensado em devolver-lhe pelo menos uns 50% do que Burle Marx projetou.
* * *
O que vemos hoje, do alto, é a cidade moderna e sufocada, ainda bonita, por causa do oceano e do generoso desenho de sua costa. Em seu livro "Desenvolvimento e modernização", o sociólogo Nereu do Vale Pereira observa: "O período 1960/70 (...) é aquele em que mais a sociedade florianopolitana conheceu e gerou o processo de 'modernização'. Pode-se também levantar a hipótese de ser a construção civil o principal indicativo desse processo". Quando o professor fala de "hipótese" é preciso ter claro que o livro foi escrito e publicado no início da década de 1970, momento em que a construção civil ainda era incipiente. Mas ele tinha razão.
* * *
Óbvio que a cidade precisava crescer, como todas cresceram. Mas a coisa poderia ter sido um pouquinho melhor, mais pensada etc.
* * *
Detalhe: na imagem mais antiga é possível contar os prédios existentes no Centro – eram cinco mais altos. À esquerda da foto está o primeiro arranha-céu da cidade, inaugurado em setembro de 1959, na Praça 15 de Novembro. São visíveis também as torres da Catedral Metropolitana, da Igreja de São Francisco e da Igreja Luterana. Lá adiante, na baía Sul, a Ilha do Carvão.

Fonte: ND Online: <http://m.ndonline.com.br/florianopolis/colunas/ponto-final/202896-a-modernizacao-de-florianopolis-vista-do-alto.html>. Acesso em 07/10/2014.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diário de Classe

IMPORTÂNCIA DO PREENCHIMENTO CORRETO DO DIÁRIO DE CLASSE
O Diário de Classe é um documento oficial da Unidade Escolar e um instrumento de responsabilidade do PROFESSOR com a finalidade de registrar e documentar a frequência e o aproveitamento individual do aluno regularmente matriculado. É também, o documento de controle e confirmação do trabalho do professor e dos alunos. Devido à sua importância, deverá ser preenchido somente pelo professor de forma cuidadosa, sem rasuras e à caneta. ATRIBUIÇÕES DO PROFESSOR REFERENTES AO DIÁRIO DE CLASSE - Preencher o diário de classe de acordo com as aulas ministradas, conforme as orientações estabelecidas no Regimento Interno da U.E.; - Garantir a clareza e a sequência lógica nos registros dos conteúdos de forma que seja possível identificar a relação entre o diário de classe e o planejamento pedagógico; - Lançar os registros diariamente; - Preencher o diário com letra legível, sem erros ou rasuras; - Não fazer registros a lápis no diário…

Como configurar teclado do tablet S3 para acentuar em português

A configuração da capa teclado para o tablet S3 gera muita confusão. Nem mesmo os atendentes da Samsung souberam configurar o produto em loja e o atendimento pelo telefone foi pior, resultado: vamos aprender sozinhos.

Há alguns tutoriais aqui na internet solicitando para instalar um APP que faz uma "gambiarra" onde você precisa digitar certos códigos para conseguir grafar com "ç", "á" "ã" ou qualquer outro acentuação em língua portuguesa do Brasil. Como dira aquelas propagandas tipo "Polishop" (não sei se é assim que se escreve, mas você entendeu), então como dizem os programas deste estilo "esqueçam tudo"!



Vamos direto ao ponto: conecte o teclado físico no seu tablet, entre em configurações depois vá em Gerenciamento geral (onde há idioma e entrada); clique me idioma e entrada e depois clique em teclado físico, posteriormente procure e selecione "Brasileiro". De fábrica o teclado vem selecionado Português, mas isso n…

O conceito de Paisagem, lugar, território e Região

A Geografia assim como outras ciências também possui conceitos que são fundamentais para o seu estudo sendo eles a Paisagem, lugar, território e a Região.

Espaço: No senso comum o espaço denota as estrelas, às distâncias de um lugar a outro, ou ainda, o tamanho ocupado pelos objetos e pessoas. O espaço se constitui de diferentes formas e estas, por sua vez, apresentam alguma relação com as pessoas que o habitam. O exemplo disso é percebido a sua volta a partir da observação dos elementos existentes na sua localidade, próximo a sua moradia, as ruas, as avenidas, as casas, os prédios comerciais, residenciais e industriais os quais apresentam serventia ao Homem. Pelas ruas nos deslocamos. As casas servem de abrigo e moradia, os prédios podem conter lojas e indústrias e nestes se encontram o local de trabalho de grande parte da população.
Lugar: É onde as dinâmicas das relações dos indivíduos são de proximidade e vivências diretas e, ainda, onde cada pessoa busca as referências pe…