Pular para o conteúdo principal

Brasil: População

ASPECTOS POPULACIONAIS DO BRASIL

“Na Geografia, os homens estão relacionados com os lugares onde vivem. Nesse sentido, uma das perguntas mais fundamentais que a Geografia deve responder é: Por que as pessoas estão onde estão?”

Responder por que as pessoas estão onde estão envolve a análise de aspectos como a distribuição humana no espaço e a evolução dessa ocupação ao longo do tempo. Para tornar possível o entendimento de tais análises, é necessário retomar alguns conceitos básicos, como os de população absoluta e população relativa.

BRASIL: PAÍS POPULOSO E POUCO POVOADO

População absoluta: corresponde ao número total de habitantes de uma determinada área. Trata-se de uma informação importante, uma vez que através dela pode-se ter uma idéia de um eventual mercado de consumo, ou da disponibilidade de mão-de-obra na região, ou ainda da necessidade de investimentos governamentais para a população.

Quando uma certa porção do espaço apresenta uma elevada população absoluta, é considerada uma área populosa. O Brasil, por exemplo, é um país populoso, pois, de acordo com o censo de 1991, sua população era de 147.305.524 habitantes. Esse número coloca o Brasil em sexto lugar no mundo, em um conjunto de mais de 170 países.

 

A população absoluta dos seis países mais populosos da Terra (China, Índia, EUA, Indonésia, Rússia e Brasil representa cerca de 50% da população mundial.

Já a população relativa, ou densidade demográfica, corresponde à relação entre o número de habitantes de uma determinada área e sua extensão territorial. É obtida através da divisão da população absoluta pela área territorial. No caso do Brasil temos:

Atenção! * Os dados populacionais aqui apresentados estão desatualizados e servem apenas como parâmetro para pesquisa escolar sobre a temática.

População relativa

ou

densidade demográfica

=

População absoluta

=

147.305.524 hab.

=

17,3 hab./km²

Área territorial

8.511.996 km²

Obs.: A população relativa do Brasil é reflexo de sua grande extensão territorial, e a baixa densidade demográfica não retrata a realidade nacional. Isso porque a população está muito mal distribuída: 90% dela se concentra próximo ao oceano Atlântico, numa faixa que raramente ultrapassa 600 km de largura.

Diz-se que uma área é povoada quando apresenta uma elevada densidade demográfica; quando sua densidade é muito baixa, diz-se que é um vazio demográfico. A taxa de população relativa do Brasil coloca-se entre os países menos povoados do planeta. Observe o quadro.

Atenção! * Os dados populacionais aqui apresentados estão desatualizados e servem apenas como parâmetro para pesquisa escolar sobre a temática.

Países muito povoados

Países pouco povoados

Bangladesh – 685.1 hab./km²

Holanda – 429.1 hab./km²

Bélgica – 323.3 hab./km²

Japão – 322.6 hab./km²

Austrália – 2.0 hab./km²

Canadá – 2.5 hab./km²

Rússia – 12.4 hab./km²

Brasil – 17.3 hab./km²

POPULAÇÃO RESIDENTE – IBGE CENSO 2000 (resultado preliminar)

CIDADE/ESTADO

POPULAÇÃO ABSOLUTA

Santa Catarina

5.333.284

Florianópolis

331.784

Joinville

428.974

Lajeado Grande

1.571


Distribuição da população brasileira

O início e a evolução do povoamento do território brasileiro pelos portugueses teve um caráter marcadamente periférico. Um dos fatores responsáveis por isso foi o interesse mercantilista da época, que visava apenas a exploração imediata das riquezas coloniais, sem preocupação com a colonização definitiva. As poucas cidades e vilas, assim como todas as áreas agrícolas, concentravam-se na costa atlântica, elo de união com a metrópole.

O Tratado de Tordesilhas, que estabelecia os limites dos territórios na América entre Portugal e Espanha, foi sendo gradativamente desrespeitado. Durante os séculos XVII e XVIII, com as bandeiras, a mineração, a penetração pelo vale do rio Amazonas e a expansão da pecuária no vale do São Francisco e no Sertão do Nordeste, ocorreu maior povoamento do interior. Formaram-se, então, “ilhas” de povoamento, pois a maior parte da população ainda continuou próximo ao litoral.

No final do século XIX e início do século XX, deu-se a fase de exploração da borracha na Amazônia, que, embora tenha durado pouco tempo, estimulou a ocupação dessa região. Ao mesmo tempo, no Sudeste, ocorria a “marcha do café”, propiciando o avanço para o interior do estado de São Paulo e norte do Paraná.

Após a Segunda Guerra Mundial, e principalmente durante o governo de Juscelino Kubitschek (1956-1960), ocorreu um grande desenvolvimento industrial no Sudeste do país. Essa industrialização, que se estende até hoje, tem atraído contingentes populacionais de todas as outras regiões.

Assim, atualmente, a população brasileira apresenta-se irregularmente distribuída pelo território nacional. E, juntamente com os fatores históricos, são os fatores econômicos que explicam esse contraste.

A região Sudeste desenvolveu uma economia diversificada, formando mercado interno e externo que possibilitou e estimulou a implantação industrial, a urbanização e o desenvolvimento da agricultura. Tornou-se, assim, a área de maior atração populacional do país. No entanto, a implantação de novas técnicas de produção e a concentração fundiária têm provocado deslocamentos populacionais do Sudeste. As regiões Norte e Centro-Oeste – as maiores e menos povoadas regiões brasileiras – têm servido de pólo de atração, especialmente em função das riquezas minerais da Amazônia e do avanço das fronteiras agrícolas para Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Quanto ao Nordeste, continua sendo uma região de repulsão de população em direção ao Sudeste e à Amazônia.

Região

1920

1940

1960(*)

1980(*)

1991(*)

Nordeste

11.245.921

14.434.080

22.181.880

35.480.300

42.470.225

Sudeste

13.654.934

18.345.831

30.630.728

52.726.700

62.660.700

Sul

3.537.167

5.735.305

11.753.075

19.396.300

22.117.026

Centro-Oeste

758.531

1.258.679

2.942.992

7.689.600

9.412.242

Norte

1.439.052

1.462.420

2.561.782

5.993.100

10.645.331

Brasil

30.635.605

41.236.316

70.070.457

121.286.000

147.305.524

(*) População residente

Fonte: Anuário Estatístico do Brasil. Rio de janeiro, IBGE, 1992.

Atenção! * Os dados populacionais aqui apresentados estão desatualizados e servem apenas como parâmetro para pesquisa escolar sobre a temática.

Comentários

  1. Mais na verdade o que uma Populção Relativa?????
    Qual o conceito????

    ResponderExcluir
  2. A população relativa, ou densidade demográfica, corresponde à relação entre o número de habitantes de uma determinada área e sua extensão territorial.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário!
Aproveite e visite o site www.geografiaescolar.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

Diário de Classe

IMPORTÂNCIA DO PREENCHIMENTO CORRETO DO DIÁRIO DE CLASSE
O Diário de Classe é um documento oficial da Unidade Escolar e um instrumento de responsabilidade do PROFESSOR com a finalidade de registrar e documentar a frequência e o aproveitamento individual do aluno regularmente matriculado. É também, o documento de controle e confirmação do trabalho do professor e dos alunos. Devido à sua importância, deverá ser preenchido somente pelo professor de forma cuidadosa, sem rasuras e à caneta. ATRIBUIÇÕES DO PROFESSOR REFERENTES AO DIÁRIO DE CLASSE - Preencher o diário de classe de acordo com as aulas ministradas, conforme as orientações estabelecidas no Regimento Interno da U.E.; - Garantir a clareza e a sequência lógica nos registros dos conteúdos de forma que seja possível identificar a relação entre o diário de classe e o planejamento pedagógico; - Lançar os registros diariamente; - Preencher o diário com letra legível, sem erros ou rasuras; - Não fazer registros a lápis no diário…

Sorriso e Silêncio

A mensagem acima, eu li em um perfil de uma rede social. Fiquei pensando sobre os problemas da simplificação da mensagem que aponta para a ideia de que o silêncio é uma maneira de se evitar os problemas.
Penso que estamos onde estamos por enfrentar os problemas e não evitá-los. As doenças sempre foram um problema para a humanidade e as enfrentamos, a gravidade foi, num passado próximo, um problema e hoje temos satélites em órbita porque ela foi enfrentada e não evitada. 
Na verdade o problema não é, em última análise, o problema. Ademais, quando da existência de um problema, o sorriso não me ajuda muito a resolvê-lo. 
Bons livros, horas de pesquisa e muita dedicação sim, pode me ajudar a resolver um problema.
Sobre o silêncio, outro equívoco, o silêncio não é a maneira de evitar os problemas, pelo contrário, o silêncio pode causar muitos problemas. Vocês lembram do Holocausto? Fruto da loucura de uns e do silêncio de outros.
Uma possível correção da legenda na mensagem acima seria, não fiq…

Prefeito de Florianópolis publica alerta nas redes sociais por causa das chuvas

Fala do prefeito de Florianópolis Gean Loureiro, via redes sociais, sobre a chuva que cai em Florianópolis nas últimas horas.