Pular para o conteúdo principal

História urbana paulista

territórios e cidadesUm grupo de pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Estadual Paulista (Unesp) realizou uma longa série de estudos sobre os aspectos da modernidade relacionados à perspectiva da produção material e das representações culturais que determinaram, ao longo de um século, a formação e a expansão das cidades paulistas.

Os estudos – feitos no campo da história social, da cultura, da cidade e da arquitetura – têm seus resultados apresentados no livro Território e cidades – Projetos e representações, 1870-1970, lançado com apoio da FAPESP na modalidade Auxílio à Pesquisa – Publicações.

A obra foi organizada por Eduardo Romero de Oliveira, professor da Unesp em Rosana (SP), e Cristina de Campos e Maria Lucia Caira Gitahy, ambas professoras da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da USP. Os artigos são fruto de pesquisas de mestrado e doutorado orientadas nas duas universidades.

De acordo com Oliveira, a obra faz uma extensa reflexão sobre os principais desafios impostos à historiografia do espaço brasileiro na atualidade.

“São dois conjuntos de artigos. O primeiro conjunto tem foco no território enquanto a dimensão em que se articula a produção material, a população e a cidade. O segundo conjunto trata das diferentes representações culturais que a cidade suscita e as relações na esfera da vivência urbana”, disse à Agência FAPESP.

O primeiro conjunto se refere em especial à capital paulista, do ponto de vista das questões urbanas e das questões do território. O segundo conjunto tem foco nas cidades do interior do estado.

“Os textos abordam os projetos de formação das cidades e sua expansão pelo território, destacando também a representação das cidades no discurso e no imaginário. O livro, portanto, trata tanto do processo de implantação da cidade como da imagem desenvolvida em torno desse processo”, explicou.

O livro mostra como a expansão das cidades no território se deu em função de um contexto histórico que incluía a expansão da produtividade agrícola e rentabilidade econômica das terras, o adensamento dos núcleos urbanos e sua regulamentação e a mobilização da mão de obra e a migração humana.

“As ferrovias, que desde o século 19 tinham sua existência condicionada à expansão da produção do café – com investimento privado –, passaram a acelerar o desenvolvimento das cidades, viabilizando um estágio de desenvolvimento urbano mais avançado. No século 20, foram criadas com objetivo estratégico de ocupação territorial”, disse Oliveira.

A obra reflete sobre as representações culturais que a cidade suscita, apresentando as visões da modernidade urbana tanto a partir da perspectiva das classes subalternas como da percepção dos profissionais do urbanismo.

“São abordados aspectos da formação desses profissionais, suas propostas modernas de ação, visando à habitação, às escolas e à própria urbanização. É possível perceber que, em vários aspectos, o imaginário da modernidade está vinculado à expansão urbana”, afirmou.

Cidades do interior

De acordo com Oliveira, um dos aspectos diferenciados do livro é que ele aprofunda os estudos sobre as cidades do interior paulista. “Os estudos existentes sobre a capital têm avançado bastante, mas não há uma produção sistemática de trabalhos sobre o interior, que têm ficado dispersos. Tentamos lançar a luz sobre essa produção” disse.

Outro foco da obra consistiu em estabelecer uma correlação entre os projetos de formação das cidades do interior e a própria formação urbana da capital.

“Se há uma carência de estudos sobre as cidades do interior, a escassez é ainda maior em relação aos estudos comparativos. Procuramos preencher essa lacuna estabelecendo a correlação entre a formação urbana do interior e da capital”, disse.

Um exemplo relevante dessa correlação está em estudo sobre a cidade de Panorama, que teve seu planejamento urbano realizado por Francisco Prestes Maia (1896-1965).

“Na década de 1940, ele realizou o loteamento e planejamento da cidade, com a abertura de largas avenidas e uma planta urbana que mostra evidente correlação com o que seria feito alguns anos depois na capital paulista”, disse.

A partir das correlações estabelecidas pelos estudos, foi possível perceber que a expansão das cidades do interior paulista não é um processo separado do desenvolvimento da capital, segundo Oliveira, que atualmente conduz o projeto “Memória ferroviária (1869-1971)”, apoiado pela FAPESP por meio da modalidade Auxílio è Pesquisa – Regular.

“Muitos projetos e propostas de urbanização do interior adotam o mesmo discurso urbanizador que encontramos na capital. Há uma correlação orgânica entre o desenvolvimento dessas ideias e a sua realização material em todo o estado”, disse.

Abordando questões relacionadas ao território, ao povoamento, às políticas públicas e com um enfoque histórico sobre a formação das cidades, o livro não é voltado exclusivamente para arquitetos e historiadores, segundo o organizador.

“Embora aborde questões normalmente associadas à história e à arquitetura, o livro teve origem em um trabalho realizado de maneira multidisciplinar. Trata-se de uma fonte interessante para iniciar estudos em diversos campos”, disse Oliveira.

  • Território e cidades – Projetos e representações, 1870-1970
    Organizadores: Eduardo Romero Oliveira, Cristina Campos e Lucia Cara Gitahy
    Lançamento: 2011
    Preço: R$ 44
    Páginas: 256
    Mais informações: www.alamedaeditorial.com.br

Fonte: Publicado originalmente pela Agência FAPESP

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diário de Classe

IMPORTÂNCIA DO PREENCHIMENTO CORRETO DO DIÁRIO DE CLASSE
O Diário de Classe é um documento oficial da Unidade Escolar e um instrumento de responsabilidade do PROFESSOR com a finalidade de registrar e documentar a frequência e o aproveitamento individual do aluno regularmente matriculado. É também, o documento de controle e confirmação do trabalho do professor e dos alunos. Devido à sua importância, deverá ser preenchido somente pelo professor de forma cuidadosa, sem rasuras e à caneta. ATRIBUIÇÕES DO PROFESSOR REFERENTES AO DIÁRIO DE CLASSE - Preencher o diário de classe de acordo com as aulas ministradas, conforme as orientações estabelecidas no Regimento Interno da U.E.; - Garantir a clareza e a sequência lógica nos registros dos conteúdos de forma que seja possível identificar a relação entre o diário de classe e o planejamento pedagógico; - Lançar os registros diariamente; - Preencher o diário com letra legível, sem erros ou rasuras; - Não fazer registros a lápis no diário…

Sorriso e Silêncio

A mensagem acima, eu li em um perfil de uma rede social. Fiquei pensando sobre os problemas da simplificação da mensagem que aponta para a ideia de que o silêncio é uma maneira de se evitar os problemas.
Penso que estamos onde estamos por enfrentar os problemas e não evitá-los. As doenças sempre foram um problema para a humanidade e as enfrentamos, a gravidade foi, num passado próximo, um problema e hoje temos satélites em órbita porque ela foi enfrentada e não evitada. 
Na verdade o problema não é, em última análise, o problema. Ademais, quando da existência de um problema, o sorriso não me ajuda muito a resolvê-lo. 
Bons livros, horas de pesquisa e muita dedicação sim, pode me ajudar a resolver um problema.
Sobre o silêncio, outro equívoco, o silêncio não é a maneira de evitar os problemas, pelo contrário, o silêncio pode causar muitos problemas. Vocês lembram do Holocausto? Fruto da loucura de uns e do silêncio de outros.
Uma possível correção da legenda na mensagem acima seria, não fiq…

Prefeito de Florianópolis publica alerta nas redes sociais por causa das chuvas

Fala do prefeito de Florianópolis Gean Loureiro, via redes sociais, sobre a chuva que cai em Florianópolis nas últimas horas.