Pular para o conteúdo principal

DIAS DAS MÃES NAS ESCOLAS





Dia das mães na escola
Você já parou para pensar o quanto é difícil falar em dia das mães nas escolas? Pelo menos se você quiser que a escola fale do jeito certo.
No Brasil o segundo domingo de maio é reservado para se comemorar o dia das mães. E é muito comum as escolas realizarem festas do dia das mães para celebrar esta data. Eu sei que não são todas, mas pode ter certeza que é a maioria.
Este tema chegou aqui no meu canal por conta de algumas fotos que recebi de uma mãe, orgulhosa da festa que a escola fez para homenagear as mães e isso me fez pensar. Na verdade, eu já conheço escolas que há algum tempo aboliu a data “festa das mães” pelo fato de que alguns alunos não possuem mãe e a situação fica um pouco constrangedora, ou seja, ter que fazer uma criança que não tem uma mãe, participar de uma festa que é, de fundo, para celebrar a existência da mãe.
Sem entrar no mérito de que mãe é quem cria, que a criança tem vó, ou tia etc. eu vou falar disso daqui a pouco, mas sob um outro ponto de vista.
Voltando a questão da escola, como havia dito, conheço escolas que deixam de celebrar o dia das mães, e dos pais, para fazer uma única festa chamando-a de “festa da família” acredito que na tentativa de romper com o constrangimento de fazer festa para mães ou pais para crianças que possam não ter mãe ou pais.
Esse negócio de festa da família me chama mais a atenção, mas será que estamos fazendo isso direito? Que tipo de família estamos celebrando nas escolas? Se for a tradicional constituída de pai, mãe, vô, vó, tio, tia... bem vocês entenderam né, se for essa família tradicional a escola continua insistindo no erro. Não se pode fazer uma festa da família no singular, deve ser uma família no plural para que possa dar conta da diversidade existente de famílias que nossos alunos fazem parte hoje.
Troquem o dia das mães e o dia dos pais pelo dia das famílias. E celebrem com todos as variadas formas de viver e compartilhar a vida.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diário de Classe

IMPORTÂNCIA DO PREENCHIMENTO CORRETO DO DIÁRIO DE CLASSE
O Diário de Classe é um documento oficial da Unidade Escolar e um instrumento de responsabilidade do PROFESSOR com a finalidade de registrar e documentar a frequência e o aproveitamento individual do aluno regularmente matriculado. É também, o documento de controle e confirmação do trabalho do professor e dos alunos. Devido à sua importância, deverá ser preenchido somente pelo professor de forma cuidadosa, sem rasuras e à caneta. ATRIBUIÇÕES DO PROFESSOR REFERENTES AO DIÁRIO DE CLASSE - Preencher o diário de classe de acordo com as aulas ministradas, conforme as orientações estabelecidas no Regimento Interno da U.E.; - Garantir a clareza e a sequência lógica nos registros dos conteúdos de forma que seja possível identificar a relação entre o diário de classe e o planejamento pedagógico; - Lançar os registros diariamente; - Preencher o diário com letra legível, sem erros ou rasuras; - Não fazer registros a lápis no diário…

Sorriso e Silêncio

A mensagem acima, eu li em um perfil de uma rede social. Fiquei pensando sobre os problemas da simplificação da mensagem que aponta para a ideia de que o silêncio é uma maneira de se evitar os problemas.
Penso que estamos onde estamos por enfrentar os problemas e não evitá-los. As doenças sempre foram um problema para a humanidade e as enfrentamos, a gravidade foi, num passado próximo, um problema e hoje temos satélites em órbita porque ela foi enfrentada e não evitada. 
Na verdade o problema não é, em última análise, o problema. Ademais, quando da existência de um problema, o sorriso não me ajuda muito a resolvê-lo. 
Bons livros, horas de pesquisa e muita dedicação sim, pode me ajudar a resolver um problema.
Sobre o silêncio, outro equívoco, o silêncio não é a maneira de evitar os problemas, pelo contrário, o silêncio pode causar muitos problemas. Vocês lembram do Holocausto? Fruto da loucura de uns e do silêncio de outros.
Uma possível correção da legenda na mensagem acima seria, não fiq…