Pular para o conteúdo principal

Um abraço cartográfico

Recebi ontem (22) das mãos de uma grande professora e amiga, Rosemy Nascimento, o livro sobre cartografia. Confesso que essa é uma área bastante limitada em minha biblioteca, ao  menos era...

Estou envolvido com outras leituras no momento, mas o "bicho geográfico" não pode ver um livro novo que começa a folhear e nesses movimentos descubro a cada parágrafo algo novo. Preciso parar, não posso me envolver (por enquanto) com essa leitura... Será que consigo?

Na página 33 o autor (já já falo dele) me ensina algo novo sobre o "mapa" de Ga-Sur (será que devo continuar chamando de mapa?) como resistir e não continuar lendo?

Eu vou parar, não vou mais olhar este (viciante) livro, mas antes de fecha-lo vejo na página 59 uma contextualização coerente e uma leitura mais política sobre o fuso horário no Brasil daí, nova recaída, e continuo a folhear o livro, até onde isso vai? Esse negócio de livro de cartografia nas mãos de professor de geografia, hummm

E aquele negócio de escala que o autor trata com tanta naturalidade em seu livro... quem sabe consigo transmitir essa leveza e simplicidade para algumas de minhas entradas pedagógicas com meus alunos. As dificuldades são muitas, mas tenho certeza que este livro vai ajudar muito, arrisco-me a dizer que em uma escala de zero a dez... o livro é dez! (desculpem o trocadilho, achei que ia ficar legal, sei que posso ter errado na escala, digo, escolha.😉)

Acha que acabou? Não mesmo! Tem muito mais... nem cheguei a falar das projeções, das histórias cartográficas, da poesia dos mapas... tem tanta coisa que se for falar de tudo, acabo correndo o risco de não falar do autor, e como não falar dele?

Jörn Seemann nasceu (ou será que foi "cartografado"?) em Hamburgo, norte da Alemanha hoje é professor da Universidade Regional do Cariri (URCA) no Ceará, e autor do livro Carto-Crônicas: uma viagem pelo mundo da cartografia. Defende que 

Em vez de ver a cartografia como técnica esotérica para os aptos em matemática e engenharia, como língua culta para os mais cultos e como um conjunto de ferramentas especializadas que espantam até o último interessado em mapas, precisamos mergulhar no mundo fascinante das representações cartográficas e olhar além das suas aparências para alcançar os professores e outros "mortais" com curiosidade potencial de querer saber de mapas. (p.13)

Fui presenteado com seu livro, aqui registro meu obrigado. O que posso dizer é que um livro, nas mãos de um professor, é lido e (re)lido várias vezes, nunca sozinho, um professor sempre lê com/para/junto (de) seus alunos.

Com tristeza e por motivo de força maior, preciso adiar esta leitura (não sei se vou conseguir). Estou razoavelmente satisfeito(por enquanto), as poucas linhas lidas já me ajudaram a entender o sentido de um "grande abraço cartográfico".

Referência:
SEEMANN, Jörn. Carto-crônicas: uma viagem pelo mundo da cartografia. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2013.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diário de Classe

IMPORTÂNCIA DO PREENCHIMENTO CORRETO DO DIÁRIO DE CLASSE
O Diário de Classe é um documento oficial da Unidade Escolar e um instrumento de responsabilidade do PROFESSOR com a finalidade de registrar e documentar a frequência e o aproveitamento individual do aluno regularmente matriculado. É também, o documento de controle e confirmação do trabalho do professor e dos alunos. Devido à sua importância, deverá ser preenchido somente pelo professor de forma cuidadosa, sem rasuras e à caneta. ATRIBUIÇÕES DO PROFESSOR REFERENTES AO DIÁRIO DE CLASSE - Preencher o diário de classe de acordo com as aulas ministradas, conforme as orientações estabelecidas no Regimento Interno da U.E.; - Garantir a clareza e a sequência lógica nos registros dos conteúdos de forma que seja possível identificar a relação entre o diário de classe e o planejamento pedagógico; - Lançar os registros diariamente; - Preencher o diário com letra legível, sem erros ou rasuras; - Não fazer registros a lápis no diário…

Sorriso e Silêncio

A mensagem acima, eu li em um perfil de uma rede social. Fiquei pensando sobre os problemas da simplificação da mensagem que aponta para a ideia de que o silêncio é uma maneira de se evitar os problemas.
Penso que estamos onde estamos por enfrentar os problemas e não evitá-los. As doenças sempre foram um problema para a humanidade e as enfrentamos, a gravidade foi, num passado próximo, um problema e hoje temos satélites em órbita porque ela foi enfrentada e não evitada. 
Na verdade o problema não é, em última análise, o problema. Ademais, quando da existência de um problema, o sorriso não me ajuda muito a resolvê-lo. 
Bons livros, horas de pesquisa e muita dedicação sim, pode me ajudar a resolver um problema.
Sobre o silêncio, outro equívoco, o silêncio não é a maneira de evitar os problemas, pelo contrário, o silêncio pode causar muitos problemas. Vocês lembram do Holocausto? Fruto da loucura de uns e do silêncio de outros.
Uma possível correção da legenda na mensagem acima seria, não fiq…