Vai ter greve? – Florianópolis: Primeira Assembleia do Ano.




Por chamada do Sintrasem (Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Publico Municipal de Florianópolis), foi realizada nesta quinta-feira (5) a primeira assembleia dos funcionários da prefeitura municipal de Florianópolis (PMF).

A grande questão dos debates ocorridos nesta tarde quente do verão florianopolitano foi o não pagamento dos salários dos aposentados da PMF e o parcelamento dos salários e não pagamento das férias dos funcionários da ativa.

Mesmo em período de férias na educação muitos professores compareceram na assembleia e puderam ouvir que a situação não é muito favorável e que prazos que vinham sendo dados para o pagamento dos salários (e que não foram cumpridos) já não eram mais assumidos oficialmente pela nova administração municipal, sendo que os dados apresentados para os participantes da assembleia foram repassados ao sindicato por telefone, ou seja, não havia nenhuma comunicação por escrito.

A possibilidade de uma greve não foi descartada e as discussões giraram entre entrar em greve imediatamente, ainda no dia 5, ou ficar em estado de greve até a próxima assembleia – prevista para dia 11/01 – um dia após o prazo solicitado pela PMF (não oficializado) para quitar a folha de dezembro dos funcionários.


Os funcionários da Comcap (Companhia de Melhoramentos da Capital) responsável, entre outras coisas, pela coleta de lixo da capital, receberam em dia seus salários. Uma boa cartada já que uma greve dos coletores de lixo, em plena temporada de verão, não ia ser muito positivo para um início de mandato.

Outro tema que foi apontado na assembleia foi o aumento do valor das passagens de ônibus, que se confirmado, deixaria Florianópolis com a segunda passagem mais cara entre as capitais brasileiras.

A situação não está confortável para ninguém e o risco do ano letivo não iniciar em 2017 na data prevista é real.

Você acha que a PMF vai conseguir cumprir com suas obrigações financeiras para com os funcionários? O não pagamento dos salários é realmente uma falta de dinheiro ou uma questão de prioridade do executivo municipal? A greve é necessária? Deixe sua opinião nos comentários do site.




SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Seu e-mail não será publicado.


*