Situação do Caldeirão no Morro das Pedras

Defesa Civil Municipal alerta para ressaca. Moradores confirmam piora da situação e o risco eminente de queda de postes de luz e inter...

Funcionários temem privatização do setor elétrico


Representantes de funcionários e de empresas de energia debateram ontem a Medida Provisória 735/2016, que altera cinco leis do setor elétrico para diminuir os custos orçamentários da União.

O representante dos funcionários da Celgpar, empresa que controla a Companhia Energética de Goiás (Celg), Wagner Vilela Junior, reclamou que a medida não considera os trabalhadores.

— Eles passaram anos estudando para entrar nessas empresas e, de repente, com o processo de desestatização, eles se veem desempregados.

Ele sugeriu a continuidade do contrato desses trabalhadores após a privatização das empresas e propôs a transferência deles para outras empresas do setor público.

O relator, deputado José Carlos Aleluia (DEM-BA), pediu a Vilela que formalize o pedido. Ele alega que não pode determinar como serão as contratações das empresas privadas, porém considera possível a realocação em outros órgãos do governo.

O diretor-executivo do Instituto Acende Brasil, Claudio Sales, é favorável à privatização das estatais. Para ele, isso possibilitaria diminuir os valores cobrados aos consumidores, melhorar a qualidade dos serviços e poupar os cofres da União de prejuízos, que, segundo ele, são recorrentes.

O vice-presidente da Federação Nacional dos Urbanitários, Nailor Guimarães, se mostrou preocupado com a privatização de empresas que atuam em regiões de grande biodiversidade, como a Amazônia.

— Parte das distribuidoras está na Amazônia. Se forem vendidas a grupos estrangeiros, a biodiversidade ficará à mercê desses grupos. 

Fonte: Jornal do Senado, Brasília, quinta-feira, 1º de setembro de 2016. (Com Agência Câmara)

Como podemos ver os tempos do neoliberalismo avança de forma acelerada no país do impeachment sem crime de responsabilidade, ou nas palavras da presidente Dilma Rousseff "golpe parlamentar".

Pelo que se percebe a destituição de uma presidente democraticamente eleita foi apenas um dos passos da longa trama geopolítica em que o Brasil está (sendo) envolvido.

Trabalhadores abram os olhos e mentes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário!
Aproveite e visite o site www.geografiaescolar.com.br

Postagens mais visitadas