Pular para o conteúdo principal

Ensino, pesquisa e extensão

Representação da Sala de Geografia.
Observo que o regime contratual do professor universitário é diferente do professor de ensino básico. Aliás há várias diferenças nessas duas "categorias" que em tese, deveria ser apenas uma, professores. Uma das diferenças é a questão salarial, mesmo com a mesma formação o professor de ensino básico possui um salário inferior ao professor de ensino superior. Aliás esse termo "ensino superior" é provocativo e só faz sentido para os que defendem as diferenças de carreira do magistério.

Observando o mundo atual, o ensino universitário para os jovens brasileiros não é algo superior é uma necessidade básica, portando minha definição de ensino básico engloba o ensino universitário.

Outra diferença que gostaria de abordar está atrelada à forma de atuação no ensino dito básico e o dito superior, neste último o regime contratual prevê (e determina) que a atuação do professor seja no Ensino, na Pesquisa e na Extensão. Já o professor de ensino básico, geralmente, é contratado para atuar apenas no Ensino. 

Até aí tudo bem, contudo o professor universitário é remunerado (e divide sua carga horária, exemplo 40h/semanais) para ações de ensino, pesquisa e extensão enquanto o professor de ensino básico é remunerado (em suas 40h/semanais) para atividades de ensino ao mesmo tempo que dele é cobrado que desenvolva e envolva-se em projetos e participe de atividades que possam envolver a escola os pais e a comunidade* onde esta está inserida.

* não gosto do termo comunidade quando falo em educação, penso que o que melhor define o corpo da escola e seu entorno é a diversidade e não a comunidade, compreender isso é atuar de forma mais justa com alunos, funcionários e famílias.

Participar de projetos demanda estudo, pesquisa e tempo. Criar situações de envolvimento da diversidade escolar demanda estudo, pesquisa e tempo. É correta a afirmação de que os professores devem se envolver nessas atividades educativas, mas antes da cobrança é preciso que se crie condições de trabalho que possibilite ao professor esse envolvimento. Como os professores da chamada "educação básica" não são liberados de sua carga horária de ensino, os projetos (pesquisa) e o envolvimento das famílias (extensão) são esforços que o professor executa sem a devida remuneração para tal (antes de tudo estou aqui considerando o professor um trabalhador, se quer envolvimento de outra qualidade (não remunerada) melhor procurar no sacerdócio).



Nesse sentido todo o investimento para elaboração de pesquisas e extensão que o professor do "ensino básico" executa, ou são estimulados (para não dizer forçados) a realizar, configura-se em uma sobrecarga de trabalho não remunerado. 

Para que tenhamos uma qualidade no processo educativo brasileiro é preciso investir cada vez mais nessa modalidade - ensino, pesquisa e extensão -  e para que este investimento não sobrecarregue o professor, para além de suas 40h/semanais, é preciso que ocorra uma alteração em sua carga horária de ensino.

Um exemplo:

40 horas de ensino com 1/3 de hora atividade significa, aproximadamente:
27 horas em sala de aula + 13 horas de preparação/avaliação para essas aulas.

Como pode ser observado não há espaço, dentro da hora atividade do professor para realização (qualificada) de pesquisa ou extensão sendo necessário, para tanto, a redução da carga de ensino.

Para iniciar uma discussão proponho uma distribuição de carga horária, de professores com 40 horas semanais, da seguinte forma:

10 horas dedicadas ao ensino com 10 horas para atividades de planejamento/avaliação.
10 horas dedicadas à pesquisa - para elaboração de projetos educativos na escola.
10 horas dedicadas à extensão - para criação de ações pedagógicas que aproximem a diversidade escolar da escola.

É preciso demonstrar para a sociedade que investir em educação de qualidade é uma opção social e que para se garantir o retorno desse investimento é preciso (re)conquistar a escola pública, gratuita e de qualidade.

A luta é permanente!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diário de Classe

IMPORTÂNCIA DO PREENCHIMENTO CORRETO DO DIÁRIO DE CLASSE
O Diário de Classe é um documento oficial da Unidade Escolar e um instrumento de responsabilidade do PROFESSOR com a finalidade de registrar e documentar a frequência e o aproveitamento individual do aluno regularmente matriculado. É também, o documento de controle e confirmação do trabalho do professor e dos alunos. Devido à sua importância, deverá ser preenchido somente pelo professor de forma cuidadosa, sem rasuras e à caneta. ATRIBUIÇÕES DO PROFESSOR REFERENTES AO DIÁRIO DE CLASSE - Preencher o diário de classe de acordo com as aulas ministradas, conforme as orientações estabelecidas no Regimento Interno da U.E.; - Garantir a clareza e a sequência lógica nos registros dos conteúdos de forma que seja possível identificar a relação entre o diário de classe e o planejamento pedagógico; - Lançar os registros diariamente; - Preencher o diário com letra legível, sem erros ou rasuras; - Não fazer registros a lápis no diário…

UM PASSO ATRÁS


Tenho poucas certezas na vida e uma delas é que a humanidade não inventou uma máquina do tempo que fosse capaz de voltar no tempo, mas a imaginação sobre as possibilidades de uma invenção já tomou conta de muita gente.

A possibilidade de voltar e realizar coisas de modo diferente... dizer não ao invés de sim, ou dizer sim no lugar do não; abraçar mais uma vez, ou simplesmente observar platonicamente a infância que já não é mais minha.
Uma máquina do tempo só faz sentido porque há o tempo, se o tempo não passasse, e ainda bem que ele passa, o desejo de mudança nunca existiria. Com o tempo vem as conquistas e as frustrações; as alegrias e as tristezas. Com o tempo todos os sentimentos antagônicos vão se revelando como que na expectativa de que é assim que o tempo passa.


Não é possível tomar decisões já tomadas, não posso voltar no tempo e deixar de beber um copo de água que bebi na semana passada, não posso trocar o sabor do sorvete que escolhi no último verão a decisão já foi tomada e…

Como votou seu deputado no processo contra Temer?

Câmara nega autorização para processo contra Temer no Supremo
O Plenário da Câmara dos Deputados rejeitou nesta quarta-feira, por 263 votos a 227 e 2 abstenções, a autorização para o Supremo Tribunal Federal (STF) abrir processo criminal contra o presidente da República, Michel Temer, por crime de corrupção passiva (SIP 1/17), seguindo parecer da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ).
"A decisão da Câmara dos Deputados de não autorizar a instauração de processo contra o presidente da República será comunicada ao Supremo Tribunal Federal, no prazo regimental", disse o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, ao anunciar o resultado.
No total, 492 dos 513 deputados votaram o parecer do deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG). Rodrigo Maia deixou de votar por motivo de impedimento regimental, por estar comandando a sessão.
VEJA AQUI COMO VOTOU SEU DEPUTADO
Esta foi a primeira vez que a Câmara dos Deputados votou uma solicitação para instauração de processo contra um pre…