Situação do Caldeirão no Morro das Pedras

Defesa Civil Municipal alerta para ressaca. Moradores confirmam piora da situação e o risco eminente de queda de postes de luz e inter...

Cuerdas - Cordas


"Cordas" (Cuerdas), é um curta- metragem espanhol, ganhou o Goya em 2014. O filme foi inspirado nos filhos do seu criador, Pedro Solís, que tem uma filha apaixonada pelo irmão com paralisia cerebral. Uma história comovente e encantadora!

Gostou? Deixe seu comentário.

Açúcar: cuidado com os excessos

Se essa rua fosse minha

Carros estacionados em calçada no Ribeirão da Ilha. Fpolis.-SC
Não é difícil ver, circulando pela rodovia Baldicero Filomeno, no Ribeirão da Ilha, carros estacionados em calçadas.
Esta rodovia, repassada ao município, foi pavimentada com camada asfáltica há pouco tempo e já está com vários trechos com buracos e com remendos que sinalizam para uma qualidade duvidosa do serviço prestado e pago com dinheiro público.

A rodovia tem em sua extensão faixas amarelas contínua o que, segundo o código de trânsito brasileiro, torna o estacionamento na mesma proibido. Será que motoristas não sabem que estacionar nas calçadas também é um desrespeito ao mesmo código de trânsito?


Ao estacionar os carros nas calçadas os pedestres são obrigados a desviar utilizando a rodovia como passagem, colocando suas vidas em risco.

Rua do Gramal - Fpolis-SC.

Rua do Gramal - Fpolis-SC.
 No que se refere ao desrespeito ao pedestre ocorre situação semelhante na rua do Gramal, no Campeche, onde a ausência de calçadas contrasta com os terrenos sem construções, supostamente servindo à especulação imobiliária. 
Servidão Coruja Dourada - Campeche - Fpolis-SC.

Rua Araçá da Praia - Campeche - Fpolis-SC.
De obrigação do poder público é o calçamento das ruas e as calçadas, sua manutenção e conservação, cabe aos proprietários dos imóveis. mas lembrando que quem deve fiscalizar é o poder público.

Na rua do Gramal, por exemplo, há um terreno utilizado pela Aeronáutica onde não há um metro sequer de calçada para o pedestre. Assim como eu, muita gente consegue perceber o desrespeito às leis municipais, por que quem deveria fiscalizar não consegue perceber?

Ainda seguindo a linha do "tudo pode ficar pior" há ruas na mesma localidade, Campeche, tido como um dos lugares que mais tem sofrido valorização na ilha de Santa Catarina, que sequer tem calçamento.

A servidão Coruja Dourada espera por melhorias há mais de 13 anos. Sempre com a promessa de calçamento os moradores dessa servidão, que possui 1200 metros de extensão, acompanham calçamentos de ruas próximas que, através de matérias feitas por uma rede de televisão, conseguem via prefeitura a execução da obra o que mostra a falta de planejamento e uma administração feita por pressão midiática e não por ação estratégica da administração pública.

A falta de calçamento destas ruas do Campeche causam grandes transtornos, poeira e terra em dias de estiagem e lama e poças d´água em dias de chuva. Quem sofre com isso? Você sabe quem...

Canção por Pirenópolis



Música de Sinhozinho (Eliodório Pereira Oliveira)

Quero nesta canção falar de amores
E das saudades que tenho guardadas em meu coração
Gentes, perfumes de encarnadas rosas ébrias de olores
Que vão enchendo a minh`alma triste de tanta emoção.

Festa do Divino ao tanger do sino
E as cavalhadas tão engalanadas
E as Pastorinhas tão bonitinhas que lindo cantar
E em noite de lua, cantam pela rua, lindas serenatas
São os trovadores que por seus amores vivem a soluçar.

Festa da Capela, tão simples e bela
E a do Bonfim que inspirou em mim
Estes versinhos de um seresteiro que vive a cantar.

Por tudo isto, cidade amiga
Só o seu nome quero exaltar
São tantas coisas que só
Pirenópolis nos pode mostrar.

Obs: A letra foi elaborada por Sinhozinho com a colaboração de Odilon de Carvalho e o pirenopolino Manoel Rodrigues de Souza.

Impróprio para pobres

Florianópolis-SC. AV. Beira Mar Norte.
Foto: Santiago Siqueira / www.santiago.pro.br
 Por que um dos metros quadrados mais caros da Ilha de Santa Catarina continua com sua "praia" imprópria pra banho?

A baía Norte, palco de várias atividades e festas em Florianópolis, como por exemplo as festas de final de ano com queima de fogos e concentração de milhares de pessoas, continua sendo uma baía imprópria para o banho.


Florianópolis-SC. AV. Beira Mar Norte.
Foto: Santiago Siqueira / www.santiago.pro.br
Qual interesse em manter essa "área nobre" da cidade fora dos roteiros de balneabilidade?

O que percebo para além das paredes de concreto dos edifícios é a presença dos morros da área central da cidade. Qual seria então a praia mais acessível para quem mora nos morros do centro de Florianópolis?

Contudo, quando alguém compra um apartamento na avenida Beira Mar ela acaba acreditando que não comprou apenas o imóvel, mas também, o "direito à paisagem" da baía. E como "dono" daquela paisagem, mantê-la para poucos é de fundamental importância para a própria valorização do patrimônio adquirido.


Contudo, como não se pode deixar uma área como essa sem atividades diárias, isso poderia ser motivo para que os menos afortunados comecem através das lutas pelo direito à cidade, lutar pela conquista de novos espaços de lazer, tão carentes em uma cidade que prefere o "C" do Consumo ao "C" da Conversa (aquelas feitas em praças). Para evitar essas reivindicações alguns  usam a estratégia dos "grandes eventos", das festas populares abertas ao público em geral como desfiles, passagem de ano com queima de fogos, maratonas, etc. (só não pode ser palco para manifestações, pois estas devem ser duramente reprimidas. Ah! se for pacíficas e ordeiras podem!).
Florianópolis-SC. AV. Beira Mar Norte.
Foto: Santiago Siqueira / www.santiago.pro.br

Florianópolis-SC. AV. Beira Mar Norte.
Foto: Santiago Siqueira / www.santiago.pro.br
Criar situações de uso diário é uma estratégia para garantir a exclusão de alguns, geralmente os mais pobres, durante o maior período do ano, apesar da pseudo aparência do "lugar público". A segregação na Beira Mar é visível. Poucos salários mínimos não conseguem utilizar a infra-estrutura ali disponibilizada. O lugar, geralmente utilizado pela classe mais abastarda economicamente, serve para as caminhadas matinais e de final de tarde, garantindo assim o uso do espaço.

Mas onde estão os menos favorecidos economicamente? Estes não andam na Beira Mar, estes não se banham na Beira Mar.

Não tenho como dizer se há poluição por esgoto na baía, mas pela indicação da placa afirmando que se trata de uma área imprópria para banho, suponho que alguns estão, literalmente, Andando e Cagando para os pobres.

Citação Jean Paul Sartre

O estado da educação

“Prezado Sr. Moacir:

Sou professor do magistério catarinense e venho através desse relatar situação da Escola Estadual de Ensino Médio João Gonçalves Pinheiro, localizado no bairro do Rio Tavares em Florianópolis.    Estamos, desde ano passado, enfrentando graves problemas. Por várias vezes ocupamos a pauta dos jornais com reportagens que evidenciavam todos estes problemas. Não somos os únicos e não seremos os últimos. A falta de estrutura mínima colocava a vida e a  dignidade de adolescentes e jovens em risco. Para que haja conhecimento de apenas um desses problemas, uma aluna cadeirante várias vezes fez suas necessidades nas calças por conta de falta de banheiro adaptado. Um verdadeiro absurdo!

A comunidade da escola dormiu 2013 com a promessa que a escola nova sul da ilha seria entregue para o início desse ano letivo 2014. Acordaríamos em casa nova, com possibilidade de receber e trabalhar dignamente.

Iniciamos no dia 06 de fevereiro de 2014 sem sair de 2013. Na velha escola com todos os velhos problemas e com outros mais. Mato e entulho no pátio, salas sem portas, sem ventiladores (mínimo) e cozinha interditada pela vigilância sanitária. Quanto as novas instalações nenhuma informação foi repassada: a placa existente na frente da escola com a data de entrega foi apagada! Em conversa com os empregados da empreiteira ficamos sabendo que o governo não paga a empresa e por esse motivo as obras andam a passos de tartaruga. O mestre de obra foi contundente: se acabarmos nunca mais a empresa irá receber o recurso de pagamento da obra.

O coletivo dos professores decidiu por conta própria interditar a escola. Estamos desde o dia 06 de fevereiro reunidos na escola estudando o Projeto Político Pedagógico da escola e refletindo sobre nossa situação. Aproveitamos para organizar nossas ações. Convidamos a comissão de Criança e Adolescência da OAB /SC para uma visita e vistoria na escola velha.  A visita ocorreu na quarta feira dia 12 de fevereiro pelo advogado Dr. Anselmo Machado e a Dra. Reti Jane Popelier. Constataram in loco o estado absurdo de abandono e desrespeito as leis. Iniciamos naquele mesmo dia a redação de uma petição a comissão da OAB/SC para acompanhamento das ações para solução do problema. Também iniciamos uma petição que pede a responsabilização do Estado pelo abandono e pelo não cumprimento de prazos na entrega da obra. Articulamos, durante essa semana, com a comunidade escolar reunião para dia 17 de fevereiro para juntos interditarmos a escola. Articulamos um ato em frente ao conselho da fazenda do Rio Tavares, ao lado da nova escola, para esclarecer e denunciar o calote do Governo na comunidade.

Frente a toda essa grande movimentação, na sexta feira, às 15h uma comissão de 6 pessoas da GERED e da Secretária Regional da Grande Florianópolis, foi até a velha escola efetuar pressão para que não fizéssemos a interdição, o ato público  e não envolvêssemos a imprensa! Nunca, repito, nunca foram naquela escola. Foi mais um grande erro dessa administração desastrosa. Ganhamos mais fôlego e mais disposição para denunciar a falta de respeito. Mostramos que não daríamos um passo atrás. Enquanto conversávamos no auditório, onde professores faziam seus depoimentos  e os “assessores” das secretarias tentavam construir argumentos para que não fosse feito nada, projetávamos na tela nossa petição para a justiça (temos um colega no último ano do curso de direito), com fotos, boletins de ocorrência e inúmeros argumentos. O medo da tal comissão foi aumentando. Reiteraram pedidos para que não levássemos adiante tais ações. Principalmente a ação criminal (fomos orientados pela comissão da OAB). Oferecemos água para a tal comissão, ressaltando que foi tirada da torneira da cozinha interditada. Imagina se tomaram tal água? Oferecemos os banheiros para serem usados. Imagina se foram utilizados por alguém da comissão? Saíram da escola envergonhados e constrangidos.

Sr. Moacir Sr. Upiara,

Exatamente as 17 h o secretário de educação ligou para a diretora. Falou longamente com ela. As 17h e 49 min. veio o email da GEREI com a seguinte informação:

“Informamos que fica suspenso o inicio das aulas no dia 17 de fevereiro. Aguardamos novas orientações da GERED. Solicitamos avisar a comunidade imediatamente…”  (anexo foto do email impresso)

Vitória? Não. Não arredaremos o pé até conseguir a total interdição do prédio e que seja estabelecido inquérito para apurar as responsabilidades do governo. Não voltaremos atrás nas nossas ações e na nossa petição! Cansamos.

O Sr. Eduardo Dechamps deveria renunciar. Sua atitude é de covarde, de gestor sem controle da sua equipe e de ações mínimas. Levaremos a ferro e fogo essa ação. Queremos derrotar o governo? Não. Queremos uma política de estado para educação e não um estado de faz de contas.

Magistério Catarinense: uni-vos! Contratem nos seus coletivos advogados (não esperem pelo sindicato) e construam ações denunciando toda a falta de respeito e toda agressão a lei!

Atenciosamente,

Sandro Livramento .”

O texto acima foi extraído, na íntegra, do blog do Moacir Pereira no endereço <> Acesso em 18/02/2014.

A imagem abaixo, extraída do perfil de um jornalista em um rede social, é para ajudar em suas reflexões.

Horário de Verão

Mais um horário de verão se foi, só meu corpo não acredita e insiste em acordar na madrugada ainda escura da cidade.

Imagino que o governo vai falar em economia de energia, apesar da minha conta ter aumentado significativamente nesse verão, que ainda não acabou.

Uns buscam o sentido da vida, eu ficaria contente em compreender o sentido do horário de verão, se for apenas por conta da economia de energia, tenho algumas sugestões, mas minhas dicas não são para o ministro de minas e energia e sim para o ministro da educação. Entendem a sutileza do negócio?

Quanto vale, ou é por quilo?

Situação inusitada em supermercado de Florianópolis. Ao ler o código de preço do produto percebi que o valor do quilo do produto não era compatível com o valor destacado do pacote de um quilo.

Na etiqueta o valor do produto era de R$ 4,48 já o preço de referência para um quilo do produto, na mesma etiqueta, era de R$ 0,90 centavos. Como o CDC (Código de Defesa do Consumidor) diz que na observância de preços diferentes o cliente tem o direito de levar o produto pelo menor preço anunciado, o pacote de um quilo do sabão deveria ser vendido a R$ 0,90 e não R$ 4,48 o quilo.

IMG_20140215_195839641IMG_20140216_084107900 - Copia

As imagens acima mostram que o desconto dado na Nota Fiscal corresponde exatamente à diferença de preço anunciado pelo supermercado.

Além dos rótulos e da validade dos produtos, é importante, também, ficar atento ao que os supermercados anunciam. Sempre lembrando que a responsabilidade do erro, quando observado, nunca deve ser transferida para o cliente, em especial, quando se trata de grandes empresas multinacionais.

GPS

globo satéliteO sistema de posicionamento global (do inglês global positioning system, GPS) é um sistema de navegação por satélite que fornece a um aparelho receptor móvel a sua posição, assim como informação horária, sob todas condições atmosféricas, a qualquer momento e em qualquer lugar na Terra, desde que o receptor se encontre no campo de visão de quatro satélites GPS. Encontram-se em funcionamento dois sistemas de navegação por satélite: o GPS americano e o GLONASS russo. Existem também dois outros sistemas em implementação: o Galileo da União Europeia e o Compass chinês. O sistema americano é detido pelo Governo dos Estados Unidos e operado através do Departamento de Defesa dos Estados Unidos. Inicialmente o seu uso era exclusivamente militar, estando actualmente disponível para uso civil gratuito. No entanto, poucas garantias apontam para que em tempo de guerra o uso civil seja mantido, o que resultaria num sério risco para a navegação. O GPS foi criado em 1973 para superar as limitações dos anteriores sistemas de navegação. (Fonte: Wikipédia)

Para saber mais sobre como funciona esse sistema de navegação e algo mais, clique no link abaixo.

http://santiago.pro.br/objetos_educacionais/gps/sistemadeposicionamentoglobal.swf

O rio de Janeiro continua lindo

rio de janeiro sem os cariocas

Apesar da região ter sido visitada explorador português Gaspar de Lemos em 1502, a cidade do Rio de Janeiro só foi fundada, você sabe, em 1º de Março de 1565 por Estácio de Sá.

A Iluminata Produtora de Imagens resolveu imaginar como seria o Rio de Janeiro visto pelos primeiros europeus.

O resultado é um colírio para os olhos.

Primeiro, a enseada de Botafogo, que foi batizada assim em 1590, quando Antônio Francisco Velho vendeu as terras para João Pereira de Sousa, chefe da artilharia do Galeão Botafogo.

1653297_288015964683416_1182821491_n

Depois, a orla das Praias de Ipanema e Leblon, chamada pelos portugueses desbravadores de Costa Brava ou Praia Brava, e a entrada da Lagoa Rodrigo de Freitas, hoje Jardim de Alá, que na época era habitada pelos índios Tamoios.

Eles a chamavam de Piraguá, junção de pirá (peixe) com kuá (enseada).1798675_288016141350065_422372965_n

Acabamos com a festa e tomamos a ferro e fogo a terra dos nativos – o primeiro movimento de ocupação ilegal começou há mais e 500 anos.

O Rio de Janeiro continua lindo.

Mas já foi bem mais.

Fonte: <http://blogs.estadao.com.br/marcelo-rubens-paiva/rio-de-janeiro-sem-os-cariocas/> Acesso em 15/02/2014. [editado].

E aí em sua cidade? Como você acha que seria sua cidade sem a ocupação humana? Deixe um comentário.

Faixa Amarela

FAIXA AMARELA CONTÍNUA -- Quando traçada ao longo da pista de rolamento indica que o veículo não pode passar a outra metade da pista. Divide fluxo de sentidos opostos.

Olhando para o céu

DSCN8089DSCN8087DSCN8090DSCN8092DSCN8093DSCN8094DSCN8095DSCN8096DSCN8098Este conjunto de imagens foi feito na madrugada do dia 07, por volta das 5 horas. O brilho do objeto chamou atenção. Não fui capaz de identificá-lo (estrela, planeta, cometa?) e por este motivo fiz o registro.

Tirei uma foto sem o zoom onde é possível observar, a partir da casa, a intensidade de brilho do objeto.

COEB 2014 - Relato de Experiência

O professor Santiago Alves Siqueira, da Escola Básica Batista Pereira, no Alto Ribeirão, integra o COEB com “O urbano e o rural na ilha de Santa Catarina: Relato de uma saída de campo”. O profissional realizou o trabalho em parceria com Milana Cristina Lazzaris, João Ricardo Goulart Eller, Lívia Corrêa Crispim, Maiara Querino, Mariana Maragno Reinheimer e Thiago Henrique.

Quando: dia 05
Onde: UFSC Auditório Garapuvu
Horário: 10h às 10h30

Concurso para professor substituto com graduação em geografia no Aplicação

O Colégio de Aplicação da UFSC está com uma vaga de 40 horas para professor substituto na área de geografia.

Mais informações ver o link http://segesp.ufsc.br/files/2014/01/Edital-058DDP2014.pdf

Professor inovador e assíduo pode ter vantagem em progressão

20140204-060714.jpg

Vital do Rêgo (PMDB-PB) quer modificar a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) para incluir a assiduidade e o uso de práticas pedagógicas inovadoras entre os critérios para progressão funcional de docentes.
O senador considera que a medida ajudará a reduzir o grande número de faltas de professores, que compromete a qualidade do ensino. Em projeto apresentado pelo parlamentar, assiduidade e inovação pedagógica se somariam a critérios de progressão previstos na LDB, como titulação e avaliação de desempenho.
Para o senador, premiar os profissionais que não faltam ao trabalho e que buscam novas formas de ensino é uma maneira de aumentar o poder da comunidade escolar na avaliação dos docentes.
O PLS 95/2013 está em exame na Comissão de Educação (CE) e recebeu a aprovação do relator, Flexa Ribeiro (PSDB-PA). O senador, no entanto, observa que as faltas dos professores muitas vezes são motivadas por problemas de saúde decorrentes de jornadas excessivas e condições inadequadas de trabalho.
Ele também aponta a ­dificuldade de avaliação do uso de novas práticas pedagógicas, alertando para “o risco de qualquer procedimento, inclusive o mais rotineiro, ser tido como inovador”.
No projeto, Vital propõe ainda modificar a LDB para proibir que professores da educação básica sejam convocados para prestar serviço durante as eleições, salvo em casos excepcionais.
O relator vê a medida com preocupação. Ele observa que, em muitos municípios, a impossibilidade de convocar professores para ajudar nas eleições dificultará a ­realização dos pleitos.
Após a aprovação na CE, a matéria pode seguir direto para a Câmara dos Deputados, se não for apresentado recurso para votação pelo Plenário do Senado.

Fonte: Jornal do Senado.

Meu comentário: Isso parece uma piada, a começar pelo título da matéria "Professor inovador e assíduo pode ter vantagem em progressão", vantagem por ser assíduo? Será que os parlamentares também são observados em sua assiduidade? Recebem menos quando não estão no plenário? Porque a meritocracia é frequentemente embutida na avaliação do professor? Qual a verdadeira intenção dessas interferências? Para resolver o problema de assiduidade e falta de práticas inovadoras o caminho é simples, porém necessita investimento e seriedade com a educação, que seria: remuneração adequada para o professor, melhoria real nas condições de trabalho com diminuição de carga horária e de número de alunos por sala.

Postagens mais visitadas