Situação do Caldeirão no Morro das Pedras

Defesa Civil Municipal alerta para ressaca. Moradores confirmam piora da situação e o risco eminente de queda de postes de luz e inter...

Geada provoca perdas na produção de frutas em cidades da Serra de SC

Bom Jardim da Serra e Urupema perderam aproximadamente 50% da safra.
Geada negra atingiu municípios acima de 1.100m de altitude no estado.

geada

A geada negra que atingiu cidades acima de 1.100 metros de altitude na Serra catarinense  prejudicou o cultivo de frutas na região. O fenômeno ocorreu na madrugada do dia 25 para 26 de setembro.
De acordo com o gerente regional da Epagri em São Joaquim, Názaro Vieira Lima, o município perdeu cerca de 20% da produção. As cidades de Bom Jardim da Serra e Urupema, tiveram prejuízo de 50%.
O gerente regional participou de uma reunião técnica nesta sexta-feira (28) em São Joaquim, onde foi feita uma avaliação e um laudo das perdas na fruticultura da região. Entre os participantes dessa assembleia estavam cooperativas e engenheiros agrônomos.
Segundo o gerente, o laudo foi encaminhado às prefeituras dos municípios e, na reunião, foi tomada a decisão de recomendar aos prefeitos que decretem estado de emergência. A produção de São Joaquim, normalmente de 308 mil toneladas, teve perda de 60 mil toneladas.
Em Bom Jardim da Serra e Urupema, a situação é mais grave pela produção ser menor. Esses dois municípios devem declarar estado de emergência. Em Bom Jardim da Serra, a produção total é de, normalmente, 40 mil toneladas, sendo que 20 mil toneladas foram perdidas com a geada negra.
Esse fenômeno meteorológico ocorre quando há temperatura e umidade relativa baixas e vento. É conhecida como geada negra porque não é visível por não formar cristais de gelo. Nas plantas, ela causa o congelamento da seiva. Os vegetais usados na fruticultura, especialmente, têm muita seiva e, por esse motivo, o fenômeno é bastante nocivo a esse tipo de plantação.

Fonte: G1/SC – <http://g1.globo.com/sc/santa-catarina/noticia/2012/09/geada-provoca-perdas-na-producao-de-frutas-em-cidades-da-serra-de-sc.html> Acesso em 30/09/2012.

Gráfico de Notas

image

Gráfico de Notas do 3º bimestre

image

*A média da sétima série é de 6.0 pontos.

Gráfico de Notas do 3º bimestre dos 6º anos

image

image

image

image

image

Gabarito da avaliação de recuperação de estudos do 3º Bimestre.

Confira as respostas referente à avaliação de recuperação de estudos feita no dia 28/09/2012 coma as turmas 62, 63 e 64.

1 – B
2 – D
3 – C
4 – D
5 – B
6 – D
7 – A
8 – C
9 – A
10 – C

Deixe um comentário sobre a avaliação que você fez. O que você achou?

Gráfico de notas do 3º bimestre

image

O gráfico acima representa a situação mda T71 no terceiro bimestre. Abaixo da média significa dizer que a média no bimestre foi abaixo de 6,0 pontos e acima da média significa as médias entre 6,0 e 10,0.

Parabéns a todos pelo esforço e dedicação.

Prova de recuperação

 

A prova de recuperação do 3º bimestre para as turmas 62, 63 e 64 será nesta sexta-feira dia 28/09.

Conteúdo: Santa Catarina.

Recado de aluno

Recebi um comentário de uma aluna na última avaliação de Geografia do da 21/09/2012. Foi uma avaliação que tratou do tema Santa Catarina em seus diversos aspectos – sociais, econômicos, quadro natural, etc.

O recado foi claro “Professor Santiago eu achei a prova muito legal, na minha opinião as perguntas foram bem elaboradas, mas na próxima prova as perguntas poderião (sic) ser mais difíceis para podermos estudar mais e também aprender mais e para eu poder exigir mais de mim mesma. Prova muito legal, adorei!! Bjos…”

Gosto muito desse perfil de aluno.

Gráfico de Notas

grafito t64

O Gráfico acima representa as notas da avaliação feita na T64 no dia 21/09/2012 da EBM Batista Pereira. Conteúdo discutido: Santa Catarina. Valor máximo da avaliação 5.0

SME cria projeto Escola Cidadã

foto (4)A Secretaria Municipal de Educação de Florianópolis lança nesta quarta-feira (12/09) o projeto Escola Cidadã para reforçar a integração entre escola, comunidade, professores e alunos. Todas as unidades da rede municipal de ensino irão fazer parte da campanha, que será desenvolvida em 36 escolas e 83 estabelecimentos de educação infantil.  O projeto será lançado primeiramente na Escola Básica Maria Tomázia Coelho, no Santinho, às 9h da manhã.

Uma das medidas é incentivar a ampliação dos conselhos escolares. A entidade busca aumentar a participação da comunidade educativa e local na gestão de cada estabelecimento de ensino.

O conselho atua no estudo e planejamento, controle e avaliação das ações do dia-a-dia da escola. Acompanha os diversos programas desenvolvidos e o rendimento escolar dos alunos. Também ajuda no gerenciamento administrativo e na aplicação de verbas municipais, federais e estaduais. São integrantes do conselho pais, estudantes, professores, demais funcionários, diretor da escola e outros membros do bairro onde está localizado o estabelecimento de ensino.

Para a Secretária de Educação de Florianópolis, Sidneya Gaspar de Oliveira, o papel das famílias deve ir muito além do tradicional, que é de conversar com os professores e analisar o boletim do filho.   “Tem que haver uma participação mais intensa para que seja aprimorada cada vez mais a qualidade da educação”.

Faltando apenas 11 colégios para completar a lista, atualmente há 25 conselhos já criados. Nas unidades de educação infantil existe o engajamento de 16 creches. A meta é atingir cem por cento da globalidade até o final do ano, sublinha o Diretor de Ensino Fundamental, Pedro Rodrigues, coordenador da iniciativa.    Para tanto, haverá um reunião no dia 22 de setembro, no Hotel Morro das Pedras, intitulada de Encontro de Animadores de Conselhos Escolares. Um dos objetivos é formar representantes para compor os novos órgãos. 

Outra ação é fomentar o surgimento de grêmios estudantis, uma instância que defende os interesses dos estudantes. Ele permite que os alunos discutam ações no ambiente escolar e na comunidade ajudando na construção de regras dentro do colégio.  “O Grêmio é igualmente um espaço para a cidadania e aprendizagem. Portanto, deve existir e ser fortalecido”, destaca Sidneya Gaspar de Olviera.

Podem participar do processo as 26 escolas básicas, que têm alunos do primeiro ano à oitava série. Seis delas têm o seu grêmio atuante: Almirante Carvalhal, Batista Pereira, João Alfredo Rohr, José Amaro Cordeiro, Luiz Cândido da Luz e Maria conceição Nunes. Três unidades precisam reativar o grêmio, com nova formação de chapa (Mâncio Costa, Osvaldo Machado e Paulo Fontes). Outras duas encontram-se na fase de implantação do grêmio estudantil (Acácio Garibaldi e Maria Tomázia Coelho).

Preservar o patrimônio público é outro alvo da campanha Escola Cidadã. As depredações do espaço da escola devem ser combatidas e os alunos devem ser conscientes de sua participação na manutenção da rede física e dos equipamentos, observa a Secretária de Educação.  “Não adianta apenas falar em preservação ambiental, se outras questões não são tratadas, a exemplo da conservação em bom estado de portas, vidros, lâmpadas, maçanetas, torneiras, carteiras e paredes”, diz.  Ela salienta que “a escola faz parte da nossa vida. Então, devemos cuidá-la com muito zelo e carinho. O ambiente fica mais atrativo e agradável”.

A Secretária de Educação enfatiza que uma escola cidadã é também aberta à diversidade, para as diferenças. Desta forma, diz Sidneya Gaspar de Oliveira, haverá um enriquecimento geral, uma troca de experiências, o que vai proporcionar mais respeito, tolerância e responsabilidade entre todos.

Serviço

O quê: lançamento da campanha Escola Cidadã
Quando: quarta-feira, dia 12/09
Horário: 9h
Local: Escola Básica Municipal Maria Tomázia Coelho
Endereço:   Rua Vereador Onildo Lemos, 1409 - Santinho

Originalmente publicado em <http://www.pmf.sc.gov.br/noticias/index.php?pagina=notpagina&noti=7347> Acesso em 12/09/2012.

Conselhos Escolares

Uma das medidas do projeto Escola Cidadã é incentivar a ampliação dos conselhos escolares. A entidade busca aumentar a participação da comunidade educativa e local na gestão de cada estabelecimento de ensino.
O conselho atua no estudo e planejamento, controle e avaliação das ações do dia-a-dia da escola. Acompanha os diversos programas desenvolvidos e o rendimento escolar dos alunos. Também ajuda no gerenciamento administrativo e na aplicação de verbas municipais, federais e estaduais. São integrantes do conselho pais, estudantes, professores, demais funcionários, diretor da escola e outros membros do bairro onde está localizado o estabelecimento de ensino.

Extraído de Facebook – perfil da Secretaria De Educação Florianópolis. <https://www.facebook.com/pmfeduca> Acesso em 11/09/2012.

Hospital bom pra cachorro

clip_image001
Fonte <
http://app.folha.com/#noticia/136324> charge hospital para cachorro acesso em 10/09/2012

Meio ambiente e IDH

Creche noturna

Creative Digital CameraPara aqueles que, como eu, acreditam que em creche também se educa, que creche é a primeira etapa da chamada escolarização da criança, qual a lógica na defesa de creche noturna? Qual a lógica em afirmar que em creche não se não ofertar férias escolares para o necessário descanso pedagógico (do professor e, principalmente da criança)? O que se pode ensinar para uma criança em creche noturna? Será que se propõe mante-las acordadas para lhes ensinar que seus país deveriam ter o direito de permanecer em casa para, em família, compartilhar de sua educação?

A discussão deve ser mais profunda que a superficialidade do assistencialismo que, em período eleitoral, ignora avanços na concepção de educação. Acreditar que creche noturna resolveria os problemas sociais das famílias de maior carência econômica me incomoda pela simplicidade do discurso. As necessidades imediatas da população não raras vezes pesa na hora de fazer as escolhas. Aproveitar-se dessa carência, no mínimo, é cruel.

Não seria viável a proposição de redução de hora de trabalho para que os pais possam compartilhar de forma mais efetiva da vida de seus filhos.

Não seria o momento de discutir a responsabilidade das empresas contratantes em manter creches para seus funcionários?

E como irão responder esses pais, as empresas contratantes, o Estado e a justiça quando essas crianças de hoje requererem, no futuro próximo, num processo judiciário, o que lhes foi negado durante a infância: o direito de ser criança e da convivência com seus pais?

A importância de ambientes naturais para a vida das pessoas

E. B. M. Batista Pereira
Turma: 62
Ano: 6º ano
Professor: Santiago Alves Siqueira
Disciplina: Geografia
Data: 22 de Agosto de 2012

Ambientes Naturais

A preservação de ambientes naturais nos proporciona uma qualidade de vida única com elementos que não podem faltar no ciclo da vida do ser humano no Planeta Terra.

Como muitas vezes precisamos dos frutos de uma bananeira, ou, das águas de um riacho essa ação de necessidade torna cada dia mais a natureza importante para a vida do ser humano, e não só a do ser humano e sim a vida de todos os bióticos da Terra.

Desde a existência do ser humano a natureza esta na Terra nos proporcionando uma vida agradável. Com seus frutos temos a opção de uma alimentação saudável, de suas árvores moradias e objetos manuais, com suas algas e em terra suas árvores e plantas temos o oxigênio o ar que respiramos.

Ao concluir esses relatos chegamos a uma conclusão que Ambientes Naturais são muitas vezes a base do ser humano na Terra com todas as ações de necessidades que temos pelas peças que concluem a natureza fazem cada vez mais essa conclusão ser real, e que com essa realidade possamos conseguir preservar nossos ambientes naturais que não precisem ficar lembrados só como obras ou artigos em museus, mais sim que possam no acompanhar até o final da existência do ser humano.

Autores:
Evelin Natali de Matias - 6º ano
João Vitor da Silva Vieira - 6º ano
Matheus Marcelino Marian - 6º ano
Maurício Junior Bonora -6º ano

Pesquisa sobre anêmonas de tubo sugere que América do Sul teve “mar interno”

mar internoDepois de estudar por quatro anos o processo evolutivo de diversificação de um grupo de anêmonas de tubo do Atlântico Sul, um grupo de pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) obteve um resultado inesperado: o estudo biológico acabou contribuindo para reforçar a teoria geológica de que, há cerca de 10 milhões de anos, a bacia Amazônica era ocupada por um mar interno que ligava o Caribe ao Uruguai.

O estudo, publicado na revista PLoS One, teve o objetivo inicial de identificar, por meio de análises genéticas e moleculares, em que momento da evolução ocorreu a diferenciação entre duas espécies de anêmonas de tubo do gênero Isarachnanthus, do grupo Ceriantharia presentes no oceano Atlântico.

Os resultados mostraram, no entanto, que o cenário mais provável para a diferenciação das duas espécies – e de uma terceira existente no oceano Pacífico – seria coerente com a chamada teoria da “rota marinha da Amazônia no Mioceno médio”.

Segundo essa teoria, um passagem marinha ligava o Caribe à região atual da costa do Uruguai, entre 9 milhões e 11 milhões de anos atrás, cortando ao meio o continente. A maior parte do Brasil atual, nesse período conhecido como Mioceno médio, teria sido uma ilha separada do resto da América do Sul por uma língua de oceano.

O artigo foi elaborado por pesquisadores dos departamentos de Zoologia e de Genética e Biologia Evolutiva do Instituto de Biociências (IB) da USP, da Fundação Carmabi de Curaçao (Antilhas Holandesas) e do Instituto de Biodiversidade e Dinâmicas de Ecossistemas da Universidade de Amsterdam (Holanda).

Fonte: Originalmente publicado em <http://agencia.fapesp.br/16140> Acesso em 05/09/2012. (adaptado).

Postagens mais visitadas