Pular para o conteúdo principal

Tarifa Bancária

Este texto eu escrevi em 2006 pelo fato de ainda ser bem atual o reescrevo neste blog.

Olha só que fato interessante.

Esta semana fui a uma agência bancária ver meu extrato, semana de pagamento é sempre assim, mesmo sabendo quanto a gente ganha, sempre vamos confirmar o depósito feito no banco.

Observei uma tarifa de R$ 3,00 e outra de R$ 13,00 presente no extrato, então mais que depressa fui ao atendimento do banco para saber o motivo daquela cobrança. E vejam só, a tarifa de R$3,00 é devido a manutenção de cadastro que, no ano que vem, deve ser cobrada novamente, uma tarifa que o banco se acha no direito de cobrar para fazer a “manutenção” de meu cadastro. Talvez eles (do banco) acreditem que, se não cobrarem essa tarifa, meu cadastro possa misteriosamente desaparecer, então é melhor ficar olhando de vez em quando para ver se ele está lá, e para isso, eles cobram.

A Segunda tarifa R$ 13,00 equivale a cobrança feita para justificar a “manutenção” de minha conta que será cobrado mensalmente, já que o “convênio”, entre banco e fonte pagadora, terminou.

Vamos a uma conta simples: R$ 13,00 por mês equivale a R$ 156,00 mais os R$ 3,00 da manutenção totalizaria uma cobrança de R$ 159,00 por ano, é o que tenho que pagar para dizer que sou “cliente” de um banco.

A inversão de valores neste nosso mundo capitalista é uma coisa assombrosa. É o banco que necessita de meu dinheiro para poder sobreviver como instituição bancária que vive da exploração do dinheiro alheio.

É o banco que precisa do meu salário (e do seu) para sustentar sua máquina exploratória de enriquecimento através da exploração dos juros.

É o banco que precisa de mim, não como um “cliente” mas como cidadão para continuar existindo e explorando meu salário, esse sim merecidamente conquistado através de um trabalho digno e construtivo.

E pasmem, os R$ 13,00 só me permitem usar umas tantas folhas de cheque por mês, fazer alguns saques por mês e utilizar o extrato (para ver o que eles estão ganhando em cima de meu salário) algumas vezes por mês, tudo o que exceder a certas quantias é cobrado à parte e se eu der um cheque que o banco considere “baixo valor” ele me cobra uma outra tarifa.

Quem é essa instituição chamada banco para dizer se o cheque que eu estou passando é de baixo valor ou não, incompetente, você não pode ter autoridade sobre meus gastos. Você não tem o direito de classificar meus gastos como pequeno ou grande isso é uma decisão exclusiva, pessoal, e que não abro mão de tê-la.

Não podemos deixar que as instituições financeiras nos façam reféns do serviço bancário.

Foi o sistema capitalista quem criou a necessidade dos bancos, então nada mais justo que sejam os capitalistas que paguem pelos serviços deles e não nós os assalariados.

Parem com essa ignorância. Fazer com que o trabalhador, para usar o seu dinheiro, fruto de seu trabalho, tenha que pagar.

Estamos pagando para usar nosso salário!

E vamos continuar pagando enquanto não colocarmos nos eixos os valores aqui expostos.

São os bancos que precisam de nós e não o contrário.

Santiago Siqueira
Professor

Publicado inicialmente em: Segunda-feira, 5 de junho de 2006.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diário de Classe

IMPORTÂNCIA DO PREENCHIMENTO CORRETO DO DIÁRIO DE CLASSE
O Diário de Classe é um documento oficial da Unidade Escolar e um instrumento de responsabilidade do PROFESSOR com a finalidade de registrar e documentar a frequência e o aproveitamento individual do aluno regularmente matriculado. É também, o documento de controle e confirmação do trabalho do professor e dos alunos. Devido à sua importância, deverá ser preenchido somente pelo professor de forma cuidadosa, sem rasuras e à caneta. ATRIBUIÇÕES DO PROFESSOR REFERENTES AO DIÁRIO DE CLASSE - Preencher o diário de classe de acordo com as aulas ministradas, conforme as orientações estabelecidas no Regimento Interno da U.E.; - Garantir a clareza e a sequência lógica nos registros dos conteúdos de forma que seja possível identificar a relação entre o diário de classe e o planejamento pedagógico; - Lançar os registros diariamente; - Preencher o diário com letra legível, sem erros ou rasuras; - Não fazer registros a lápis no diário…

Sorriso e Silêncio

A mensagem acima, eu li em um perfil de uma rede social. Fiquei pensando sobre os problemas da simplificação da mensagem que aponta para a ideia de que o silêncio é uma maneira de se evitar os problemas.
Penso que estamos onde estamos por enfrentar os problemas e não evitá-los. As doenças sempre foram um problema para a humanidade e as enfrentamos, a gravidade foi, num passado próximo, um problema e hoje temos satélites em órbita porque ela foi enfrentada e não evitada. 
Na verdade o problema não é, em última análise, o problema. Ademais, quando da existência de um problema, o sorriso não me ajuda muito a resolvê-lo. 
Bons livros, horas de pesquisa e muita dedicação sim, pode me ajudar a resolver um problema.
Sobre o silêncio, outro equívoco, o silêncio não é a maneira de evitar os problemas, pelo contrário, o silêncio pode causar muitos problemas. Vocês lembram do Holocausto? Fruto da loucura de uns e do silêncio de outros.
Uma possível correção da legenda na mensagem acima seria, não fiq…